domingo, 21 de março de 2010

PL SOBRE HERÓIS DE BUZIOS É APROVADO EM COMISSÃO

"Animai-vos ,ó, bahiense, é chegado o tempo para

a vossa ressurreição, sim para que ressuscitem do abismo da escravidão, para levantares

a Sagrada Bandeira da Liberdade"

"Texto do manifesto colado nas portas das 12 igrejas do centro da cidade"


REVOLTA DE BÚZIOS

Esta revolta é também conhecida como a Revolta dos Alfaiates
ou Conjuração Baiana e foi o primeiro movimento
realmente democráticodo Brasil.

"Influenciados pelos ideais da Revolução Francesa - IGUALDADE -
FRATERNIDADE e LIBERDADE - o povo baiano começou a protestar,

pedindo a Proclamação da República, a libertação dos escravos
e a igualdade de direitos. Não pegaram em armas,
não feriram ninguém."Usaram apenas a palavra como arma.

(Ubiratan de Castro)





PROJETO DE LEI
 SOBRE HEROIS DE BÚZIOS 
É APROVADO EM COMISSÃO

Foi dado mais um passo para a inscrição dos líderes da Revolta dos BúziosJoão de Deus, Manuel Faustino, Lucas Dantas e Luís Gonzaga no Livro dos Heróis da Pátria: a Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal aprovou o Projeto de Lei 5819/2009, de autoria do deputado Luiz Alberto (PT-BA).
A Revolta dos Búzios, também conhecida por outros nomes como Revolta dos Alfaites, Revolta das Argolinhas e Inconfidência Baiana, ocorreu em 1798 na capital baiana. Os quatro líderes foram mortos por conta da promoção do movimento que tinha um avançado programa de defesa dos Direitos Humanos com destaque para a abolição da escravatura.
Luiz Alberto elaborou o PL depois de receber cópia de um ofício enviado ao ministro da Justiça, Tarso Genro, pelo grupo Cultural Olodum, instituição que tem feito um grande esforço para divulgar o movimento e a história dos seus mártires, inclusive com a publicação de uma cartilha que pode ser usada em sala de aula para aplicação da Lei 10.639/03.
O relator do projeto é o deputado Emiliano José, também do PT baiano, que elaborou uma bela peça como relatório. Vocês podem conferir o documento na íntegra clicando aqui, aqui, aqui e aqui. O projeto segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Se aprovado, vai para o Senado Federal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário